• Cabeçalho

A Escola virou a página do ano letivo 2017/2018... Há que escrever novos capítulos!

 


Hoje, 8 de junho, termina o ano letivo nas escolas de Educação Especial... E como tal a escola do CRM encerra hoje as atividades letivas. Termina este ciclo...vira-se esta página já a pensar em como planear o próximo capítulo desta missão, que é educar.

Este ano, na Escola de Educação Especial do CRM, foi um ano de adaptações, crescimento, de emoções, de descobertas, medos e alegrias, onde cada degrau que subimos foi uma vitória conseguida.

Educar é impregnar a ação pedagógica de consciência, estabelecendo uma visão integrada do desenvolvimento da criança com base em concepções que respeitem a diversidade, o momento e a realidade, peculiares à infância e juventude. Cuidar e educar implica reconhecer que o desenvolvimento, a construção dos saberes, a constituição do ser não ocorre em momentos e de maneira compartimentada.

Cuidar e educar significa compreender que o espaço/tempo em que a criança vive exige seu esforço particular e a mediação dos adultos como forma de proporcionar ambientes que estimulem a curiosidade num ambiente estável, seguro, criativo e de conforto físico e emocional.
A Escola do CRM esforçou-se por desenvolver diariamente a missão de educar, adequando estratégias e metodologias capazes de dotar aqueles que educamos, de ferramentas que melhorem a sua qualidade de vida. Em contexto institucional, onde as barreiras físicas e mentais são uma constante, a nossa missão ganha relevo, pela responsabilidade que temos para com os mais frágeis.

Terminamos o ano em festa, adoçando a boca dos que nos fizeram rir e chorar de alegria, dos que nos fazer saltar o coração do peito em dias de instabilidade clínica e emocional. O nosso dia foi um misto de alegria, nostalgia e esperança que no próximo ano façamos mais e melhor...sim...mais e melhor... porque acreditamos que estamos sempre a tempo de dar mais de nós...de melhorar a cada dia, em prol dos que dependem de nós.

Que 2018/2019 traga força, energia e resiliência, para que a escola continue a semear a semente da educação, para que nasçam frutos viçosos ao longo de todo o ano.

A escola terá de reinventar-se todos os dias e adaptar-se às fragilidades de quem lhe dá voz...os alunos. E nesse sentido, cá estaremos para nos reinvertarmos as vezes que forem necessárias, fazendo das fraquezas, oportunidades de melhoria.

 

Professora Isabel Vaz



© Copyright 2019, Irmãs Hospitaleiras. Todos os direitos reservados.